Na Primeira Pessoa: hoje consigo viver com Fibromialgia graças à Nutrilite por Sónia Santos

Quando era criança, apesar de ser uma menina muito activa, a minha saúde estava constantemente a pregar-me partidas. Aos 5 anos tive febre tifóide e durante os meses que estive internada estive algumas vezes entre a vida e a morte. Felizmente consegui melhorar, no entanto os médicos disseram à minha mãe que o meu sistema imunitário poderia ter ficado comprometido. E ficou, de facto. Na primária faltava constantemente à escola por estar doente. As minhas enxaquecas eram frequentes e tão intensas como as de hoje em dia. E as dores na coluna manifestaram-se muito cedo. Na adolescência os meus períodos menstruais eram extremamente dolorosos pelo que aos 14 anos recomendaram-me que iniciasse a toma da pílula que atenuou alguns sintomas mas contribuiu para o aparecimento de varizes e problemas circulatórios.

À medida que crescia, outras patologias se foram manifestando como a prisão de ventre. Chegava a ficar até uma semana ou mais completamente obstruída e quando conseguia era com ajuda de chás ou outro tipo de químicos mas logo que parava de tomar voltava tudo ao mesmo.
A maior parte dos trabalhos que tive tinham uma carga física muito intensa e com o passar dos anos a dor de coluna passou a fazer parte da minha vida.

Em Maio de 2011 pouco depois de ter completado 30 anos, idade com a qual pretendia ter filhos, tive um acidente de trabalho, caí vários degraus duma escada e lesionei o cóccix. Fiquei de baixa durante um mês pois não conseguia andar. O sonho de ser mãe ficou adiado por tempo indeterminado.
Fiz vários exames médicos, descobri umas hérnias discais, uma discopatia degenerativa, uma lordose, uma escoliose. Tomei vários analgésicos e anti inflamatórios mas o nível da dor agora já tinha passado para um patamar mais elevado e não havia nada que tomasse que me aliviasse a dor.

Deixei de dormir, tinha tanta dor que não tinha uma posição de conforto. Tinha tanta dor que a comida me agoniava, em poucos meses perdi mais de 10kg. Tenho um 1,70m e estava a pesar 48kg. O meu cabelo que nunca foi muito forte mas era volumoso começou a cair de uma forma radical. O meu stress aumentou tanto que acabei por desenvolver alopécia. Agora além de falta de cabelo também tinha enormes peladas e muita dor no couro cabeludo. A depressão começou a manifestar-se.

Durante 4 anos fiz uma série de exames, tratamentos alternativos, tomei anti depressivos, medicação para a dor com derivados de morfina, relaxantes musculares. Sentia-me constantemente intoxicada. Comecei a perder cada vez mais o tónus muscular e sentia-me exausta até quando dormia. Em 2015 depois de ter o resultado duma ressonância magnética foi-me diagnosticado espondilite anquilosante e sacroilaíte bilateral.

Depois de finalmente saber que teria de conviver com estas patologias auto-imunes decidi investigar soluções alternativas à medicação pois recusava-me a tomar medicação a vida toda que apenas mascarava momentaneamente a dor. Mas os sintomas que o meu corpo manifestava foram sendo cada vez mais, muita rigidez muscular ao acordar, custava-me pôr os pés no chão quando saía da cama e tinha de me agarrar para dar os primeiros passos do dia. Durante a noite as minhas pernas queimavam, sentia facadas na lombar, na cervical, adormeciam-me as pernas e os braços.

Não passou muito tempo até me diagnosticarem fibromialgia. Fiz alguns procedimentos médicos como radiofrequência, infiltrações nas articulações, mas sem sucesso. Passei a ser seguida com regularidade na Unidade da Dor e Reumatologia. Chegava a tomar 15 comprimidos por dia mas nunca deixei de sentir dor. Quando decidi engravidar porque já tinha adiado demasiado tempo os médicos preveniram-me que sempre teria uma gravidez de risco. Tive alguma dificuldade em engravidar pois tenho alguns miomas e quando finalmente consegui passei por uma gravidez anembrionária e desde o início que soube que o aborto seria inevitável uma vez que não havia embrião! O meu corpo passou por um processo extremamente doloroso.

Em 2016 quando fui mãe pela primeira vez o meu corpo já estava muito debilitado. O meu segundo filho nasceu logo a seguir em 2017 duma gravidez não planeada. Enquanto o meu primeiro filho nasceu de parto normal sem epidural pois já tinha desenvolvido uma tolerância muito grande à dor e só fui para o hospital na hora de ele nascer, o segundo foi completamente diferente pois foi cesariana com anestesia geral. Nesta altura da minha vida sentia que o corpo que carregava era um fardo, um estorvo. Agora com dois bebés a exaustão era indescritível! A minha ansiedade aumentou, a tolerância diminuiu, mas eu continuava em busca de algo, não que curasse, mas que me ajudasse a ter alguma qualidade de vida. Já tinha feito alterações à alimentação, deixei de consumir lactose, glúten e açúcar pois aceleram o processo inflamatório do corpo. Sempre tive muito cuidado com o que comia pelo que não precisei de fazer grandes mudanças. Sempre fiz exercício físico mas agora com dois bebés a disponibilidade não era tanta mas sempre que podia fazia pilates, caminhadas, meditação e também aromaterapia.


Há 5 meses atrás conheci a Nutrilite. Depois de responder ao questionário de sintomatologia comecei um plano de suplementação orgânica personalizado que mudou totalmente a minha vida. Na primeira semana notei melhorias na prisão de ventre imediatamente. Agora sinto-me regulada o que me deixa extremamente feliz porque todas as patologias auto-imunes começam nos intestinos e sei que, uma vez regulada, o processo inflamatório também diminui. Comecei a sentir energia, eu não tinha energia! Eu só sentia exaustão!

O mais impressionante de tudo é que deixei completamente a medicação. Não tomo um único comprimido! Ainda tenho muitas dores mas tudo passa por um processo e acredito que agora com mais energia consigo também fazer mais exercício para fortalecer a coluna e ganhar massa muscular.
Notei também que o fluxo menstrual diminuiu pois além de doloroso era abundante e com muitos coágulos, assim como as enxaquecas que antecedem à menstruação começam a ser menos intensas.

O meu plano de suplementação é bastante completo devido às graves carências nutricionais. Tomo DoubleX 2 vezes ao dia, um complexo multivitamínico extremamente completo para colmatar a falta de vitaminas, minerais e fitonutrientes; Concentrado de Frutas e Legumes 3 vezes ao dia para a reparação da parede gastrointestinal e melhor absorção da suplementação e alimentação; Proteína Vegetal que me ajuda na construção muscular e óssea, com as insónias, diminuição da dor e depressão; Cal Mag D Plus, 5 por dia para a ansiedade e fadiga; Glucosamina, 6 ao dia para as dores nas articulações e músculos; Ómega 3, 3 por dia, excelente para prevenir obstruções nas articulações, redução da inflamação e ainda me ajuda com a Fibromialgia, doença músculo-esquelética, e artrite reumatóide; Alho, 6 por dia, às vezes mais, consoante o nível da minha dor, é excelente para a inflamação; Vitamina D, 6/dia, importantíssimo no reforço do sistema imunitário e saúde óssea; Vitamina B, 4 por dia para me ajudar na produção de energia e resulta; Rhodiola, 2 por dia, não só melhora o nível de energia como também as funções psicológicas a nível da ansiedade principalmente; Biotina, 2 por dia juntamente com o tónico capilar, champô e amaciador da Satinique e o meu cabelo também começa a ter alguma melhoria; 2 Sticks de Magnésio para o stress e relaxamento muscular pois sofria imenso com cãimbras fortíssimas; e Vitamina C, 6 por dia para reforço do sistema imunitário, combate à queda de cabelo e stress oxidativo.

É um plano complexo? Sim! Posso ajustar consoante as minhas maiores necessidades, sempre com orientação, no entanto, sem a preocupação de sobredosagem por não haver risco de toxicidade com a Nutrilite. Nunca pensei que em tão pouco tempo teria resultados tão satisfatórios e tenho a certeza que a longo prazo serão ainda mais e continuarei a fazer tudo o que estiver ao meu alcance para que assim seja. Hoje com 39 anos, sinto finalmente que estou no caminho certo, rodeada das pessoas certas e principalmente, que o meu futuro se revela promissor.
Grata Nutrilite!

Testemunho de: Sónia Santos

Deixa um comentário